Areias ao Vento
Sobretudo sobre o nada da existência arte,filosofia,e ciência; sobre tudo e sobre nada:do oculto e da sapiência
Marcadores: ,
Ciclo Areias do Tempo


Não há que se ler( O Livro das Paráfrases Malditas)




Não há que se ler estas palavras como um libelo, uma concordata ou elegia.

Pois um ouriço sempre estará na defensiva, não importa a maciez do coelho.

E estas não são palavras de plágio, pois o ato de escrever é mais do que imitar como ver uma imagem diante de um espelho e mais do que citar como eco da sua voz reverberando pelas montanhas.

Pois um livro não berra a sua origem ao ser escrito, como uma criança nascendo ou suspira e sussurra a sua censura como um ancião morrendo na fogueira da ignorância.

E escrever é mais do que estar num labirinto de espelhos que distorcem a imagem como num circo de horrores.

Escrever é como se tornar um dragão cuspindo palavras de fogo sobre um cavaleiro e gerando assim todos os romances da Idade Moderna.

Não há que se ler estas palavras solteiras ou apartadas pois tudo o que vem ao mundo tem pais e país, tem razão e raiz, tem predição e assim prediz.

E é impossível reproduzir os livros como se reproduzem os homens ou árvores, porque letras não são cromossomos e palavras não são o DNA. Livros não podem ser plantados tampouco colhidos, mas podem ser escolhidos e lidos.

Não há que se tomar este livro como um livro de paráfrases malditas, melhor seria se o visse como um livro de frases benditas.

Pois todo Sartre tem a sua Simone de Beauvoir, todo Jung tem o seu Freud mas somente Shakespeare teve o seu Marlowe.

Não importa o quanto chore sobre a folha escrita, borrões não irão apagar as linhas como o vento soprando nas pegadas deixadas nas areias da praia.





Ciclo Areias do Tempo - resgatando posts do Blogger Brasil enquanto o Areias ao Vento entra em merecidas férias.
0 comentários:

Followers