Areias ao Vento
Sobretudo sobre o nada da existência arte,filosofia,e ciência; sobre tudo e sobre nada:do oculto e da sapiência

Pensão da Solidão 5 - Corredores escuros

Marcadores:
Pensão da Solidão 5 - Corredores escuros



Cróton selvagem, tinhorão lascivo, Planta mortal, carnívora, sangrenta, De tua carne báquica rebenta A vermelha explosão de um sangue vivo .

Cruz e Souza


"Um homem deve decidir livremente entre casar ou ficar solteiro; afinal, vai terminar se arrependendo do mesmo jeito".
Sócrates


Solteiro

Vem do latim solitarius, "só", que também produziu o nosso solitário. Hoje, os dicionários definem o termo como "aquele ou aquela que ainda não casou". O grande dicionarista padre Bluteau (séc. 18), escreveu que solteiro(a) é "a mulher e o homem que não são casados, e, como tais, vivem soltos e livres do jugo do matrimônio".






Simbolismo

Movimento francês que se desenvolve nas artes plásticas, na literatura e no teatro no fim do século XIX com o nome decadentismo, logo substituído por simbolismo em manifesto datado de 1886.Rejeita a abordagem da realidade e a valorização do social feitas pelo realismo e pelo naturalismo sendo caracterizado por subjetivismo, individualismo,irracionalismo e misticismo com temas religiosos e mágicos.Tal foi a influencia do Simbolismo que o Saudosismo, um movimento nacionalista português, poético e filosófico,foi influenciado pelo movimento. O poeta francês Charles Baudelaire é considerado precursor do simbolismo por sua obra As Flores do Mal, de 1857.Os Artistas plásticos simbolistas sustentavam que a arte deve ser uma síntese entre a percepção dos sentidos e a reflexão intelectual. Buscando revelar o outro lado da mera aparência do real, em certas obras enfatizam a pureza e a espiritualidade ; em outras, a perversão e a maldade . Paul Gauguin, Gustav Klimt, Edvard Munch foram simbolistas.A literatura simbolista manifesta-se na poesia, com versos que exploram a sonoridade e a musicalidade valendo-se de símbolos para sugerir objetos, por exemplo, a cruz para falar de sofrimento, rejeitando as formas rígidas do parnasianismo e divergindo do romantismo pela expressão da subjetividade ausente de sentimentalismo.Paul Verlaine, Arthur Rimbaud e Stéphane Mallarmé são expoentes franceses do simbolismo. Em Portugal, entre outros, Antônio Nobre, autor de Só, e Camilo Pessanha , autor de Clépsidra.No teatro fica clara a rejeição da vida real, no palco os personagens não são humanos, constituindo-se a personificação simbólica de idéias e sentimentos. O som, a luz, a cor e o movimento são caracteristicas impressionistas presentes nas encenações merecendo destaque Henrik Ibsen, autor da peça A Casa de Bonecas.O simbolismo brasileiro tem como primeiras obras literárias Missal e Broquéis, 1863, de Cruz e Souza. Outro representante do movimento é Alphonsus de Guimaraens.Palavras e personagens possuem significados e formas simbólicas como na peça A Comédia do Coração onde o dramaturgo brasileiro Paulo Magalhães põe no palco personagens simbólicos, como Dor, Paixão e Ciúme. Assim,A Pensão da Solidão poderia perfeitamente ser uma obra do simbolismo.


Absinto

Os simbolistas franceses viviam num mundo boêmio, semi-marginal e repleto de delírios e vertigens oferecidas pelo absinto, a bebida esmeralda - e também outras drogas -, com a qual os artistas e
intelectuais simbolistas adoravam inebriar-se.







Uma enfermeira limpava o sangue do meu rosto, retirando cuidadosamente os restos repugnantes de massa encefálica da minha face.Por um instante, vendo aquela cruz vermelha, achei que estivesse num hospital. Engraçado nunca aceitei bem essa história de cruz vermelha simbolizar hospital, se bem que talvez a Ordem dos Hospitalários tivesse como símbolo a cruz, mas se os Hospitalários se relacionam com hospitais ou não, realmente não sei, porque nunca pesquisei nada a respeito, mas seria o mesmo que acreditar por mera semelhança de nomes quie o pai da medicina Hipócrates seja o criador da hipocrisia, e também de hipogrifos; se bem que no que diz respeito a atuação moral e ética de certos médicos o juramento de Hipócrates possa ser na prática e exercício da profissão uma hipocrisia.Estar diante de uma enfermeira me lembrou de um ditado cruel de certos estudantes de medicina, de que o enfermeiro é o médico que não passou no vestibular para medicina - cruel e injusto - apesar de ser exatamente o caso da moça que cuidava de mim.O meu quarto era uma suíte infecta, tomada por um odor pútrido e infestada de pernilongos e baratas.A cama era uma lamentável cama de campanha, que pelo menos me deixava afastado do chão pegajoso , de tábuas húmidas apodrecidas onde cresciam cogumelos venenosos e transitavam tatus-bola desatarefados.
O nome do anjo era Brendaine,a primeira alma que eu conheci na Pensão, e a sua história como a dos demais sentenciados a morar na Pensão da Solidão justificava o seu estado atual.A moça de belo e estranho nome fôra condenada a solidão por abusar dos pais, namorados, professores e patrões.Brendaine era caprichosa, e apesar de ser uma bela morena de olhos verdes, comia compulsivamente e foi paulatinamente destruindo o corpo e, simultaneamente, fazendo o mesmo com a sua vida.Por este motivo, hostentava farta barriga, tinha os seios flácidos, cheios de estrias e caídos: por alguma razão ,apesar de viver em hospitais, não realizara cirurgia plástica para corrigir as orelhas de abano; e os dentes da frente, ligeiramente encavalados, poderiam ser corrigidos na infância, com o uso de aparelhos, creio.O resultado na aparência, apesar da sua beleza natural e descuidada,era de um roedor- e, talvez, por esta razão, enquanto olhava para o seu rosto, perguntei:
--Tem ratos aqui?
--Não, moço - respondeu ela, com uma voz estramente infantil, desafinada - aqui só se viu um rato em mais de dez anos.
Bem, dos males o menor. Um rato em dez anos não é uma estatística ruim, para um lugar que parece um matadouro de gente.Mas a minha conversa com Brendaine teria que ser interrompida, porque entrava no quarto o Cabo Lúcio Ferreira, conhecido como Lúcifer.
--Vem comigo, novato - disse ele em tom autoritário, enquanto eu me esforçava para não me borrar todo - eu vou te ensinar as regras da Pensão.
E eu segui Lúcifer pelos corredores escuros da Solidão.



0 comentários:

Followers