Areias ao Vento
Sobretudo sobre o nada da existência arte,filosofia,e ciência; sobre tudo e sobre nada:do oculto e da sapiência

Mário Quintana 2

Marcadores:
Mário Quintana 2

A maior dor do vento é não ser colorido.

A amizade é um amor que nunca morre.

A mentira é uma verdade que se esqueceu de acontecer.

Nunca desprezes os teus amigos, por que se um dia eles te esquecerem, só teus inimigos se lembrarão de ti.

E um dia os homens descobrirão que esses discos voadores estavam apenas estudando a vidas dos insetos...

Maravilhas nunca faltaram ao mundo o que sempre falta é a capacidade de senti-las e de admirá-las.

A preguiça é a mãe do progresso. Se o homem não tivesse preguiça de caminhar, não teria inventado a roda.

O sorriso enriquece os recebedores sem empobrecer os doadores.

Quem não compreende um olhar tampouco compreenderá uma longa explicação.

Não te irrites, por mais que te fizerem... Estuda, a frio, o coração alheio. Farás, assim, do mal que eles te querem, Teu mais amável e sutil recreio...

Se as coisas são inatingíveis... ora! Não é motivo para não querê-las...

Que tristes os caminhos, se não fora a presença distante das estrelas!

Livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas.

Não desças os degraus do sonho para não despertar os monstros. Não subas aos sótãos - onde os deuses, por trás das suas máscaras, ocultam o próprio enigma. Não desças, não subas, fica. O mistério está é na tua vida! É um sonho louco este nosso mundo...

Desculpem, para mim é impossível não voltar a citar Quintana.Especialmente devido ao valor filosófico nas obras do poetinha de Porto Alegre, que tão organicamente descreveu a cidade.Ou que tão urbanamente se descreveu, enfim tanto faz.Destaco a última frase, tão semelhante ao aspecto arquitetônico da mente, como no meu texto O Livro dos Pesadelos.Devo confessar a minha busca por novos bons poetas por aí, - porque os nomes desconhecidos me atraem tanto quanto os conhecidos- e o que encontro é insatisfatoriamente ruim.Os novos poetas de maneira geral parecem carecer de um trabalho emocional mais aprofundado, alguns poemas aparentam bons para se mergulhar mas se revelam superficiais.Ou são inteligentes mas sem comprometimento com a lógica ou ainda os textos fazem algum sentido mas não são inteligentes: são clichês,mosaicos feitos de fragmentos de memórias e leituras, de sentimentos recortados e colados.Mário Quintana realmente merece ser lido, há algo nele semelhante a Paulo Mendes Campos e isso me toca profundamente.A sua poesia parece uva colhida num belo parreiral, cuidadosamente esmagada e transformada no melhor vinho, tão envelhecido pela sabedoria do tempo e tão doce ao ser provado, me fazendo pensar:como ele teve tempo para concluir isso em uma só vida?Talvez por essa razão ele mencionasse tanto o tempo e a eternidade na sua obra.Mário Quintana transcendeu o tempo.
0 comentários:

Followers