Areias ao Vento
Sobretudo sobre o nada da existência arte,filosofia,e ciência; sobre tudo e sobre nada:do oculto e da sapiência

Cripto

Marcadores:
Cripto

Eu sou o resto do resto, o fóssil vivo de sonhos sepultados outrora, sou sedimento, sentimento, perdido
Quem fui eu, andando na noite, mestre me encontre antes que eu me perca dentro de mim.
Uma taça de vinho, poeira no sótão, ratos no porão.
Um tatu dentro de casa.
Um castiçal com uma vela branca, lua crescente, uma ampulheta, um incensário e um ventilador.
Casa, quase caso, acaso, ocaso.
Perdi o meu celular em algum lugar que sei lá.
Se você me ligar, não vai me encontrar.
(Deixe recado mesmo assim).
Duas esferas vermelhas, dois tiros certeiros. Um rosto no espelho.
Um pesadelo ao acordar.
Hormônio, orgulho, homônimos.
Recortes, recordes, recorde-se.
Eu sou o senhor de todas as palavras: e da falta de palavras.
Deus faz malabarismos com os planetas.
Todo pierrô precisa de uma colombina.
Não há palhaço que não chore por dentro o sorriso que gargalha por fora.
Me diz como eu me sinto numa segunda-feira cinzenta, e o veneno que cospe uma serpente.
Anjos vestem negro quando andam pela terra.
Cães levam água na cabeça aos mortos.
Eu falo com os mortos.Mas eles têm pouco a dizer.
Eu já não ando mais sozinho.
O mundo que vocês contruiram para vocês é um inferno.
Não reclamem daquele que construí para mim:
o caminho para o paraíso passa pelo inferno.
0 comentários:

Followers