Areias ao Vento
Sobretudo sobre o nada da existência arte,filosofia,e ciência; sobre tudo e sobre nada:do oculto e da sapiência

O plágio : caso 2

O plágio : caso 2


Outro lamentável membro do infeliz grupo literarte , André Luis Aquino, que já mereceu a publicação de um post com um texto seu (?) aqui no Tempestade, plagiou descaradamente um texto meu, O Amor renasce , inspirado no O Amor acaba, de Paulo Mendes Campos. Assim como o plágio anterior, se basearam no meu texto para produzir outro. talvez por isso o meu weblog não seja tão famoso, as pessoas me usam como degrau para tentarem a fama.Comparem:


O amor renasce


O amor renasce das cinzas de uma separação dolorosa, tal fênix; renasce de um perdão concedido por uma traição cometida; renasce num raro instante de paz e armistício entre uma árabe e um israelense, no oriente médio; no perdão da dívida, e não nas moratórias intermináveis, o amor renasce; no alto de um prédio instantes antes de um suicídio ser cometido, assim ele realmente renasce; na acolhida que a mãe dá ao filho pródigo que a casa torna, e quando a ovelha negra da família é readmitida no lar; por todo o lugar, na mesma medida que morre o amor renasce como o sol que raia e se põe diariamente; o amor renasce tal e qual sementes que só germinam após um incêndio na floresta e geram as maiores árvores de lindas flores e frutos doces que alimentam o espírito; renasce como uma planta amarelada esquecida num canto escuro e seco de sua casa que se revigora quando exposta à luz acolhedora do sol e ao carinho da água regada sobre as suas folhas; o amor brota por toda a parte, como ervas daninhas que insistem em crescer em nosso coração, como trepadeiras em nossa alma; o amor renasce da relação proibida entre o padre e a devota fiel; da união anti-ética entre o psicólogo e a paciente, ele renasce dogmático; o amor renasce sem razão aparente, entre parentes; da união incestuosa entre irmãos, o amor renasce escondido; dos abusos sexuais que alguns pais infligem às filhas, o amor violento renasce; o amor renasce sui generis entrementes e habeas corpus; entre ortos, homos e heteros, renasce sem rótulos, estereótipos, barreiras tabus ou limites; o amor renasce insistente junto com os mortos-vivos e zumbis do filme no cinema, na garota agarrando medrosa o ombro do namorado; o amor renasce quando Julieta ressuscita e toda a história muda; renasce apaixonado quando Cristo traz Lázaro dos mortos e quando o próprio Cristo ressuscita : o amor renasce no terceiro dia; o amor renasce numa carona dada depois da aula, num flerte dentro de um ônibus e até num atropelamento: o amor renasce no trânsito quando veículos e vidas colidem; o amor renasce quando o sexo não mais existe, na terceira idade em retratos desbotados em asilos esquecidos pelo tempo; no pregão da bolsa de Tóquio, entre dois operadores exauridos, o amor renasce indexado; quando o executivo dita uma carta para a secretária insinuante de pernas cruzadas e quando a doméstica deixa a porta do quarto entreaberta para o patrão, ele renasce com a força do pecado; o amor renasce em São Paulo num escritório, no Rio de Janeiro na praia, numa churrascaria no Rio Grande do Sul , na esplanada dos ministérios, em meio à corrupção; amor renasce em todos os lugares e fusos horários; quando finda a esperança, a última que morre, o amor é o primeiro que renasce; o amor morre nas mãos do carrasco chamado orgulho e renasce curado pela donzela sinceridade, e cresce mais forte quando cortado como cabelos e unhas, sempre a crescer; o amor renasce como escravidão do corpo e como grilhões nas almas notívagas e afoitas pelo doce cárcere de algemas que prendem as mãos, celas que retém os corpos unidos e delimitam as ações e traições; como cola nos lábios, entrelaçar de línguas, razões injustificáveis e desiderato de se ver e falar diariamente ao telefone; renasce de cartas perfumadas escritas entre lágrimas e pulsar implorando perdão; de flores e bombons, ursinhos de pelúcia e filhotes de cães ornados com laços róseos de paixão e escovas de dente juntas; o amor surge e ressurge diariamente como os índices da bolsa de valores, como hóstias nas bocas dos católicos, como palavras escritas em vão por escritores frustrados, como um olhar de fúria de um assassino, como o delírio de um bêbado num boteco de esquina, a ilusão de um louco, ou batom nos lábios de uma prostituta; ressurge do bolinar tímido entre um homem e uma menina e vice- versa; ressurge dos pólos opostos, da corrente alternada , da água a jorrar por turbinas gerando a corrente elétrica que faz o mundo girar e a tudo ilumina, apagando-se subitamente só para, em seguida, reacender iluminando os corações da humanidade.


Inspirado em "O amor acaba", de Paulo Mendes Campos



O plágio:


O amor renasce -- 29/01/2002 - 16:05 ( Andre Luis Aquino)


O amor renasce a cada dia no coração das pessoas; a amor renasce numa canção que você não ouvia faz tanto tempo e te fez lembrar de alguém; o amor renasce em olhares perdidos ou em olhos nos olhos que lutam para não se cruzar porque se cruzarem você sabe que vai dar frio na espinha; o amor renasce nas lágrimas de saudade e na foto guardada bem longe dos olhos, mas perto do coração.
O amor renasce porque amor não dura para sempre, o amor renasce porque tem amores que podem fugir a regra; o amor renasce naquelas noites em que você não consegue dormir e tudo que você queria é que te fizessem dormir, fosse com um carinho, fosse com um abraço, fosse com desejo...
O amor renasce porque se pode amar a mesma pessoa de infinitos jeitos e formas; o amor renasce porque se pode se amar a mesma pessoa em tempos diferentes; o amor renasce porque ele não conhece o espaço nem o tempo, ele é maior, bem maior que isso.
O amor renasce porque ele sobe a serra, ele desce a serra, ele vai onde tiver que ir; o amor renasce nas faculdades, quando você senta atrás ou do lado de uma colega que vira seu amor; o amor renasce nos bares entre copos de cerveja; o amor renasce até quando você come um cachorro quente sozinho na esquina; o amor renasce mesmo quando todos dizem que não tem mais jeito, que ela ou ele já não gostam de você.
O amor renasce em dias de chuva ou em dias de sol, em dias de céu claro ou com trovão, em dias que parece que nada vai acontecer; o amor renasce em coração mole ou em coração de pedra; o amor renasce nos olhos claros e nos olhos escuros, nos nativos de câncer ou com ascendente em escorpião.
O amor renasce a cada dia, mesmo sabendo que um dia ele pode morrer; o amor renasce porque as pessoas se perdoam; o amor renasce porque o destino permite; o amor renasce seja pela verdade ou pela ficção, por ideal ou pela emoção, pela sinceridade ou pela ilusão.


André Luis
29/01/2002



Vergonhoso.Comparem:


O amor acaba, de Paulo Mendes Campos..
O amor renasce, de Patrick Furukawa Berlinck (Gregory Grimaud)
O amor renasce, de André Luis Aquino.


Devo deixar claro, que a crônica que redigi, O amor renasce é uma paráfrase ao Amor acaba, de Campos. Este tipo de trabalho denomina-se intertextualidade; quando um texto remete à outro, seja citação, referência ou inspiração, deve-se citar a fonte.Como eu fiz. Pelo jeito, estou fazendo escola, então porque também não imitam a minha ética?


Este texto foi publicado simultaneamente nos seguintes weblogs: Areias ao Vento, Tempestade de Areia, Aos 4 Ventos e Labirinto.


Followers