Areias ao Vento
Sobretudo sobre o nada da existência arte,filosofia,e ciência; sobre tudo e sobre nada:do oculto e da sapiência

Nada a contar



Vocês não acreditariam se eu afirmasse que nada tenho a contar. na verdade, eu tenho mas é ridículo por demais. Está bem, eu conto: mas se alguém perguntar a respeito das coisas que narrei aqui eu nego de pés juntos.

Jogue o molho da mamãe na mamãe



Anteontem eu ri de uma maneira histórica, como nunca antes rira. O motivo foi ridículo, beirando o pastelão. Entretido com um milhão de coisas que fazia no meu quarto(lendo O Universo numa Casca de Noz de Stephen Hawking, baixando MP3, etc), descobri-me faminto e fui rapidamente à cozinha comer um macarrão requentado. A minha mãe também costuma fazer refeições faustosas nas altas horas e os nossos caminhos desafortunadamente se cruzaram no instante em que eu tirava da geladeira um frasco com molho de tomate e... derramei sobre a camisola verde de mamãe, na parte das costas. Eu notei que ela não percebeu nada, e com o maior cinismo deste mundo, peguei o paninho da pia para limpar a caca dizendo "peraí, mãe... " mas quando passei o paninho na mancha, as costas dela ficaram repletas de formigas, milhares de formigas que estavam no paninho...No auge do desespero, gritei "mãe, você está cheia de formigas!!!" e fui ao chão sem ar, de tanto rir. Mamãe correu para o quarto se trocar, mas eu tive que ir atrás chorando de rir e rever a mancha e a multidão de formigas. Cara, aquilo foi pior do que jogar a mamãe do trem! Mister bean já tem um concorrente à altura!

O ataque do flamingo


Não estou certo a respeito de como tudo isso começou. Eu e Beck comentávamos um filme pornô em que um cara transa num quarto onde há uma estátua enorme de um abutre, parecido com um personagem de desenho animado. Reconhecemos a legitimidade do talento do cara ao concluirmos que seríamos incapazes de transar num quarto em que aquela figura bisonha estivesse nos olhando. Dessa história do abutre, que insisti em chamar de flamingo, veio o mito de que existe um flamingo vivendo escondido na minha estante, em algum ponto atrás das revistas em quadrinhos. Para quem não se lembra, o flamingo é aquela ave tipo um cisne ou sei lá, que gosta de ficar equilibrado numa só pata. De tanto falar nesse flamingo, tive um sonho lamentável que me envergonha contar, portanto, abstenham-se de comentários, como sempre. Estávamos eu e o meu irmão que mora do outro lado de lá, em casa e decidimos ver o que havia naquela velha geladeira abandonada nos fundos da casa. Ao abrirmos o aparelho, vimos dois volumes finos e compridos que mal cabiam no interior da geladeira. Ambos cobertos de areia, onde milhares de formigas caminhavam. À primeira vista, pareciam folhas de palmeiras, mas um dos volumes se movimentou, agitou as areias e se levantou: era um dinossauro fino e comprido, alado, como uma ave...como um flamingo.De pé. o bicho tinha mais de um metro de altura, e um bico enorme com dentes serrilhados no interior. A ave avançou na minha direção, eu corri não apenas para fugir, mas para pegar a câmera fotográfica. O meu objetivo era documentar o fato, e foi o que fiz, tirei várias fotos do flamingossauro antes dele concluir que éramos presas difíceis e fugir. Por favor, não contem a ninguém que sonhei isso. Obrigado.
0 comentários:

Followers