Areias ao Vento
Sobretudo sobre o nada da existência arte,filosofia,e ciência; sobre tudo e sobre nada:do oculto e da sapiência
Conhecendo aos outros através dos sinais

Ontem eu dizia para uma colega que eu sabia exatamente como ela era - apesar de efetivamente temos convivido pouco - porque cada pessoa é um livro:basta estar alfabetizado para ler. Como se lê uma pessoa? Através das marcas, do texto rúnico gravado no corpo, runas feitas de rugas, estrias, cicatrizes, da sua existência ou ausência; mãos grossas, ásperas naqueles que trabalharam muito; ombros largos, bíceps definidos e calos arrendodados nas palmas das mãos daqueles que malham; pele grossa no rosto, uma certa vermelhidão e pés - de - galinha naqueles que ficaram muito sob o sol. Hoje em dia, é difícil a mulher que tenha parido que não ostente estrias nos seios e uma marca logo acima da púbis, abaixo do umbigo: cesariana, sendo que a última marca só vemos quando conhecemos bem a mulher. Não é preciso entender muito de fisiognomonia, quirologia e iridologia para ler a sinopse de uma pessoa em seu rosto e olhos, os espelhos da alma; a pessoa raivosa cristaliza em seu rosto vincos, sulcos de raiva, da mesma maneira ocorre com a sorridente...afinal, quem não sabe diferenciar um idoso moribundo de uma criança recém-nascida? Quem vê cara, vê coração; o corpo não fala: ele sobe num palanque e berra com um megafone num microfone todo um discurso!

Uma outra colega deu-me o troco, e disse que eu sou andrógino e que demora-se muito para uma pessoa me conhecer; respondi por escrito que ela estava certa, que há quatro anos me empenho em tentar conhecer as mulheres, e para isto adotei algumas posturas femininas(posturas, não poses): a causa vale a pena, pois quem entender uma só mulher desvendará todos os segredos do universo, porque é um grande mistério o que uma mulher realmente pensa! Sou um andrógino superior: um andrógino intelectual e um intelectual andrógino. E demora sim muito tempo para alguém me conhecer: a minha vida é um livro aberto, maior do que a bíblia e escrito em hieroglifos ininteligíveis, e nem eu próprio me conheço ainda; se conhecesse, seria um iluminado. Decifra-me ou devoro-te.

Alguns mestres em seu honroso esforço para ensinar, tentam mostrar a um aluno como interpretar um texto: ora, se uma pessoa é um livro, um livro é uma pessoa. Disseque um texto, faça uma cisão do tórax ao abdômem e retire os órgãos internos, os temas, e os ponha na bacia de sua razão; não abra primeiro os intestinos, onde haverá apenas uma massa fecal putrefacta que o fará vomitar sobre o trabalho . Esqueça a forma, porque na roupagem mais bela e saudável podem se esconder necroses de idéias terríveis(por fora, bela viola, por dentro, pão bolorento); vá ao cérebro, busque o centro da razão do texto, vá ao coração, ache os sentimentos, vá ao estômago, e veja como ele processou as informações; por fim, costure tudo, preencha o laudo e engavete na geladeira de uma estante qualquer para que o livro-corpo seja embebido em formol e então ser estudado pelo próximo leitor.
0 comentários:

Followers