Areias ao Vento
Sobretudo sobre o nada da existência arte,filosofia,e ciência; sobre tudo e sobre nada:do oculto e da sapiência

Testamento

4:50:00 AM
Testamento


Deixo para a Terra o meu corpo, devolvo ao pó o pó do qual ele foi feito.
O meu legado aos tolos são os erros que cometi;mas a minha herança aos sábios é maior:aquilo que escrevi.

Deixo para o passado lembranças; no presente, as ondulações da pedra que um dia joguei no lago.
E para o futuro, ficam as metamorfoses do que fui, fiz e falei.

Para as mulheres deixo a beleza da sua juventude, não levarei comigo curvas e dobras de um corpo feminino sensual,
mas comigo vai tudo aquilo que partiu de real e sincero de um coração de mulher que realmente me amou.

Deixo as cicatrizes dos ferimentos e as rugas de preocupação neste mundo, levo comigo apenas a lição de que a dor se converte em amor.

Ficam as cores e as formas de tudo o que é belo neste planeta, deixo-as registradas em palavras pois o meu punho não tem o dom do desenho.
Comigo vão as idéias que são bases das formas, pois aprendi o segredo da criação divina.

Assim, não carrego comigo as linhas que formam o desenho de uma borboleta,
nem a cor amarela de suas asas,mas levo a idéia sublime da matéria animada e alada, multicolorida voando pelo espaço.

Doo aos pobres a riqueza do espírito; aos perdidos, a indicação do caminho;
aos descrentes, a certeza de uma única verdade.

Deixo para os cientistas os axiomas; ficam para os matemáticos os teoremas;
para os físicos e químicos, as equações.Levo comigo as soluções!

O meu legado aos amantes da poesia, os meus poemas;
aos literatos, os meus textos; aos críticos, os meus erros.
Levo comigo o idílio precursor da poesia; as idéias geradoras dos textos e a humanidade, mãe dos erros.

E parto desse mundo ciente da missão comprida ainda infinita no além.
Read On 0 comentários

Minhas sete faces

3:34:00 AM
Minhas sete faces



A primeira face é um poeta

A segunda face é um escritor ignoto

A terceira é a deusa da justa vingança

A quarta é a de um iniciado

A quinta é a face que a sociedade conhece

A sexta é a face de um sábio oriental

A sétima é a soma de todas, e o seu nome é segredo


O POETA ESTÁ MORTO E COM ELE SOPRAM PARA O ALÉM AS AREIAS
Read On 0 comentários

Carne e Pedra

10:11:00 AM
Carne e Pedra.
Read On 0 comentários

Texto de Dion Fortune

12:14:00 AM
"Sou a estrela que surge do mar, do mar crepuscular,
Trago aos homens os sonhos que regem seus destinos.
Trago as marés lunares às almas dos homens,
Os fluxos e refluxos repetidos das marés;
Esses fluxos e refluxos alternados das máres;
Esses são o meu segredo, esses pertencem a mim.
Sou a Eterna Mulher, eu sou -
As marés das almas de todos os homens me pertencem,
Os fluxos e refluxos repetidos das marés;
As secretas, silentes marés que governam o homem;
Estes são os meus segredos, que pertencem a mim.

Das minhas mãos recebem ele o seu destino;
O toque das minhas mãos trás serenidade -
Essas são as marés lunares, essas me pertecem,
Ísis no céu, na terra Perséfone,
Diana na lua e Hécate,
Ísis velada, Afrodite do mar,

Todas essas eu sou e elas são vistas em mim.
A lua cheia brilha no meio do céu,
Ouço as palavras de invocação, ouço e apareço -
Shaddai el Chai e Rhea, Binah, Géia,
Vim para o sacerdote que chamou por mim ".

Dion Fortune

Read On 0 comentários

Testamento 2

2:14:00 PM
Testamento 2

Deixo para a minha família dívidas: deveria ter sido mais útil, bem-sucedido e menos problemático.
Para a moça que passou ao meu lado numa quinta-feira ensolarada, deixei um sorriso e um olhar.
Deixo para os meus amigos a lembrança de boas conversas e baladas hilariantes.
Para o vento deixei palavras, poemas e idéias vagas.Tudo perdido.
Durante a vida, acumulei alguns bens, listo-os a seguir:
Bem me quer, restou ainda uma última pétala de algum amor esquecido no passado.
Bem te vi, vi direitinho e nunca irei esquecer.
Bem aventurado e feliz andei pela vida,admirei a divina criação, perfeita e bela.
Tenho algumas propriedades, a seguir listo-as e indico quem serão os herdeiros:
Construí um castelo no ar: deixo para aqueles que acreditaram que eu poderia andar com a cabeça nas nuvens e ainda assim ter os pés no chão.
Comprei um terreno em lugar algum: deixo para o João Ninguém com quem me sentei e conversei num dia chuvoso sob uma marquise de um velho edifício.
Acumulei uma pequena biblioteca: dôo-a aos analfabetos.Antes que digam - absurdo -, eu respondo:divino.Deus fez o mesmo, legou-nos o mundo e não sabemos viver nele.
Amealhei a boa fortuna: assim, desejo boa sorte a todos os meus companheiros de jornada, aos bons colegas e todos os afortunados homens de sorte que me auxiliaram.
Deixo a lembrança aos desmemoriados:memento mori!
Deixei a minha marca por onde passei.
O meu olhar, àquelas muitas as quais amei.
Deixo para trás as amarguras, a todos dou o meu perdão.
Deixo para lá; é melhor mesmo deixar para depois, deixar de lado o passado.
E, quando o meu filho primogênito, nunca concebido, atingir a eternidade, receberá a infinita possibilidade, enquanto semente não-germinada: eu teria sido um bom pai.
Para a vida deixo como legado o meu adeus; e, para a morte, um sorriso vitorioso:
Eu voltaREI!
Read On 0 comentários
10:30:00 AM
Earth, Wind and Fire, de Marc Adamus
Read On 0 comentários
10:16:00 AM
Mors et reincarnatio
Read On 0 comentários

Followers